Arroz Basmati com Atum e Ervilhas


Estou definitivamente em modo de preguiça total. Por um lado tenho o congelador “cheio” de comida pronta a finalizar ou comer para quando a miúda chegar e continuo a preparar algumas coisas. Por outro tenho andado com preguiça de fazer o jantar todos os dias, e tenho optado por coisas mesmo muito simples e rápidas, o chamado comidas de “um tacho só”.
Este arroz basmati com atum e ervilhas, é a verdadeira comida de preguiça. Comida de festival de verão ou de escuteiro como também é chamada... Poucos ingredientes e muito pouco tempo de preparação. Algo que os miúdos até comem bem. E algo que tenho a certeza que, numa altura ou em outra já se fez - assim ou assado - em todas as casas.
Quais são as vossas comidas preguiçosas?

Ingredientes para 2 adultos e 2 crianças:

1 chávena /250ml) de arroz basmati
1 chávena de ervilhas congeladas
2 latas de atum em azeite
1 folha de louro
1 dente de alho
1 cebola pequena
azeite q.b.
sal e pimenta q.b.

Preparação:

Pique a cebola com o dente de alho e leve ao lume num tacho com um pouco de azeite e a folha de louro (se quiser também pode colocar um pouco do azeite da lata de atum!)
Deixe refogar um pouco e junte o arroz envolvendo bem na cebolada. Junte depois as ervilhas e o dobro do volume de arroz em água a ferver (1 chávena de arroz para 2 de água). Tempere de sal e pimenta, tape o tacho e deixe cozinhar em lume brando até toda a água estar praticamente absorvida.
Junte agora o atum esfarelado grosseiramente com um garfoe envolva no arroz deixando acabar de cozinhar.
Sirva o arroz com brócolos cozidos ao vapor.


Bom Apetite!

Bolo Simples de Banana e Aveia


Tarde chuvosa de sábado aqui em Coimbra. O mais pequeno vai fazer a sesta e o mais crescido chega-se ao pé de mim, com uma banana na mão, e pede para fazer um bolo de banana. 
Vamos para a cozinha. Antes disso numa breve pesquisa, descubro um bolo da Susana de banana e aveia que me parece perfeito.
Fazemos o bolo num instante, com o Zé a ajudar a partir ovos, a misturar ingredientes, a ajudar a pesar. O bolo vai para o forno e começa a impaciência de quem quer logo comer uma fatia.... Vai chamar-me a dizer que cheira tão bem na cozinha que o bolo já tem de estar pronto.
Distrai-se com os desenhos animados. O bolo fica finalmente pronto, mas é preciso arrefecer. Vai de minuto em minuto à cozinha ver se o bolo já está frio. Coloca a mão pequenina por cima para lhe sentir o calor e diz que já está frio.
O pai corta-lhe a primeira fatia que come com um sorriso malandro e com ar de satisfação dizendo que está delicioso. Depois pede tosta com manteiga e fica a brincar com os carros....
Ao final do dia chegam os amigos de sempre para jantar. E come-se quase o resto do bolo à sobremesa. Ficam duas ou três fatias que chegaram para a foto... E entretanto lá se foi o bolo.
E com bolo se começa uma segunda feira doce.


Ingredientes:

1 banana
1 iogurte
180g de açúcar amarelo
70g de óleo de girassol
3 ovos
½ colher chá de gengibre em pó
160g de farinha de trigo sem fermento
40g de flocos de aveia
1 colher chá de fermento
½ colher chá de bicarbonato de sódio

Preparação:

No liquidificador coloque  a banana descascada, o iogurte, o açúcar, o óleo, os ovos e o gengibre. Bata até obter uma massa homogénea. Coloque depois numa taça e misture bem a farinha, a aveia o fermento e o bicarbonato.
Deite depois a massa numa forma untada e com buraco e leve a cozer no forno previamente aquecido a 180ºC  durante aproximadamente 30 min, até que ao espetar um palito este saia seco.
Deixe arrefecer um pouco e desenforme.


Bom Apetite!

Canja Rápida de Miúdos


Quem por aqui passa sabe que o desperdício é algo que me faz imensa impressão, principalmente o desperdício alimentar. Não fui educada a desperdiçar comida. Em minha casa sempre se comeram sobras de dias anteriores, se “transformou” comida de outras refeições numa nova refeição, se congelou comida para não estragar, e se utilizou o que havia - e os meus avós tinham - em detrimento de comprar outras coisas que podíamos gostar mais. É assim que vivi a ver fazer as compotas e a marmelada -  para não desperdiçar a fruta. E que sempre vi a minha avó a fazer massa de pimentão, doce de tomate e a branquear o excesso de legumes para congelar.
É normal que habituados a conviver com isto, sejamos também um bocadinho assim. É que não desperdiçar é uma forma de rentabilizar e de poupar, e muitas pessoas acabam por não se aperceber disso, pois não potencializam certos recursos que têm disponíveis.
Quando falo e partilho certas coisas (principalmente na conta do instagram, nas instastories, e no facebook), há sempre imensas perguntas e dúvidas que surgem às pessoas relativas às coisas de todos os dias... Como por exemplo esta canja de miúdos, que costuma ser habitual cá em casa.
Tenho a sorte de ter que me arranje frangos caseiros, que chegam aqui a casa com a garrafinha do sangue para fazer uma bela cabidela, e sempre com os miúdos. Confesso que eu não sou grande fã dos miúdos - gosto apenas das moelas e do pescoço, sendo o Miguel adepto do fígado e dos corações). O que acontece é que os frangos vão sendo gastos, mas os miúdos vão ficando no congelador, a não ser quando os aproveito para colocar no arroz de cabidela...
O uso mais habitual dos miúdos do frango é para fazer caldo caseiro de frango, juntamente com algumas aparas de legumes como cenoura e a rama do alho francês. Mas outras vezes dá uma canja rápida deliciosa que agora, de inverno, sabe ainda melhor.
E com o que poderia ser desperdiçado se transforma....

Ingredientes para 4 a 6 pessoas:

miúdos de 2 frangos caseiros ou do campo (patas, fígado, coração, moelas e pescoço)
2 ovos 
1 cenoura
1 cebola pequena
sal e pimenta q.b.
70g de massinhas (pevide ou cuscus)
sal e pimenta q.b.

Preparação:

Num tacho coloque os miúdos dos frangos juntamente com a cenoura, a cebola, os ovos. Junte água (cerca de 1,2l) e tempere de sal e pimenta. Deixe cozinhar em lume brando até que os miúdos estejam bem cozinhados, assim como a cenoura e a cebola, cerca de 30 a 40 minutos.
Coe o caldo e coloque-o de novo na panela e deixe levantar fervura novamente. Junte depois a massa e deixe-a cozinhar em lume brando - retificando os temperos - mais 10 a 15 minutos.
Entretanto descasque os ovos e corte-os em pedaços. Esmague a cenoura com um garfo e corte a cebola em pedacinhos pequenos (se não gostar, descarte a cebola). Corte também os miúdos em pedaços pequenos.
Quando a massa estiver cozinhada junte os ovos, a cenoura, a cebola e os miúdos à canja. (Se necessário acrescente um pouco mais de água e retifique de sal)
Sirva bem quente com um raminho de hortelã, se gostar.

Bom Apetite!

Húngaros


Não há melhor sentimento para quem gosta de fazer cabazes de natal e pequenos mimos de comer do que começar a receber o feedback de quem recebeu esses presentes preparados com tanto carinho, amor e às vezes até algum esforço. Eu já comecei a receber as primeiras mensagens. Que a granola está deliciosa, de o chocolate quente é muito saboroso, que os scones e a compota de pêssegos do quintal fizeram um lanche fantástico, que o molho picante está “pólvora” mas muito saboroso... E recebi também muitos pedidos dos meus amigos menos habituados a estas coisas de blogue e canais de youtube a pedirem-me a receita das bolachinhas que fiz para oferecer.
Este ano fiz várias fornadas de Húngaros para os cabazes, a partir da receita maravilhosa da chef de pastelaria Rita Nascimento que tem um fantástico canal de youtube cheio de receitas de fazer crescer água na boca.
Foi de lá que veio a receita dos húngaros, e confesso que são mesmo maravilhosos (para quem também tem o último livro dela, a receita também lá está!).
E depois de muitos pedidos, partilho aqui a receita. E peço desde já desculpa pela foto, porque a única que se aproveitava já tem as bolachinhas embaladas e prontas a colocar nos cabazes!

Ingredientes para cerca de 30 bolachinhas:

3 gemas de ovo cozidas (cozem-se os ovos e retiram-se as gemas)
75 gr açúcar em pó
100 gr manteiga
50 gr farinha sem fermento
50 gr amido de milho (Maisena)

Cobertura:

80 gr chocolate meio-amargo
5 gr óleo coco 

Preparação:

Comece por bater a manteiga amolecida com o açúcar até obter uma mistura cremosa. Passe depois as gemas por um passador de rede para ficarem bem raladas e misture-as mo preparado anterior para incorporar bem. Junte a farinha e o amido de milho e bata mais um pouco. A massa fica meio granulosa e a melhor maneira de a juntar (se estiver a fazer com uma batedeira de mão) é apertando com as mãos até formar uma bola.
Leve depois ao frigorífico cerca de 20 minutos e após este tempo estique com um rolo da massa e um pouco de farinha para não pegar. Corte com cortadores e coloque num tabuleiro forrado com papel vegetal. Leve ao forno pré-aquecido a 200ºC e coza só até quererem começar a dourar, cerca de 7-8 minutos. Deixe arrefecer completamente.
Para a cobertura derreta o chocolate juntamente com o óleo de coco no microondas ou em banho-maria. Coloque a taça do chocolate sobre uma outra taça com água bem quente, para o chocolate ser mais fácil de trabalhar e não ir ficando rijo e mergulhe as bolachas até metade no chocolate, raspe na borda do recipiente para  retirar o excesso e coloque numa superfície forrada com papel vegetal até o chocolate secar. Deixe secar bem antes de embalar ou guardar.


Bom Apetite!

Batata Doce “Frita” no Forno (ou batata normal ou outros fritos no forno!)


É inevitável! De todas as vezes que no facebook ou no instagram mostro fotos os falo das batatas “fritas” no forno, chovem comentários e mensagem para explicar como faço.
Não há sabedoria nenhuma. Basta um forno com ventilação. Mas a ideia de comer fritos com menos culpa, ou de poder oferecer aos miúdos “batatas fritas” com menos óleos refinados e saturados, chama a atenção de toda a gente.
É definitivamente uma tendência, estarmos cada vez mais preocupados com estas coisas, e eu devo confessar que faço cada vez menos fritos e, na maioria das vezes, quando os faço - sejam batatas, filetes, panados, carapauzinhos ou petinga, rissois e bolos de bacalhau caseiros... mesmo que estejam congelados  - uso quase sempre este método.
E portanto aqui fica a explicação!

Ingredientes:

2 batatas doce brancas (cá em casa usamos imenso batata doce, mas podem batata normal!)
2 batatas doce laranja 
sal q.b.
azeite q.b.
ervas aromáticas secas a gosto q.b. (opcional)

Preparação:

Descasque as batatas e corte-as em palitos mais ou menos do mesmo tamanho.
Seque as batatas com um pano e disponha-as num tabuleiro forrado com papel vegetal  NUMA SÓ CAMADA. Tempere depois com um fio de azeite (azeite em spray é o ideal) um pouco de sal, e, se gostar as ervas aromáticas secas a gosto (ou alho em pó, ou pimentão.....)
Leve as batatas ao forno previamente aquecido a 200ºC com ventilação. Deixe cozinhar cerca de 30 minutos. (Com as batatas raramente as viro a meio do tempo, mas se estiver a fazer panados ou filetes, gosto de virar a meio do tempo, e borrifar com um pouco mais de azeite!)
Retire do forno e deixe arrefecer um pouco antes colocar no prato de servir. Se necessário tempere com um pouco mais de sal ou flor de sal.


Bom Apetite!

Empadão de Atum e Camembert


Desde que o novo ano começou, tenho andado feita formiguinha a “arrecadar”. A miúda está aí a chegar - sem falta até ao final do mês - e eu, apesar de ainda não ter a mala pronta mesmo com 36 semanas de barriga, ando numa de ter a arca frigorífica recheada para os primeiros tempos. Fiz isso das gravidezes anteriores, e é um dos melhores conselhos que posso dar! Nada melhor do que não ter a preocupação de cozinhar durante uns tempos, e de poder ter uma alimentação um bocadinho melhor do que take away, por nós e pelos outros miúdos cá de casa!
Nessa tarefa de cozinhar - ou de preparar - e congelar, dá imenso jeito dar volta a frigorífico, arca e despensa e ir despachando coisas: afinal vou fazer caril de lentilhas porque tenha cá imensas, ou carne estufada que depois aproveito para empadão e outras coisas, porque ainda tenho imensa carne de vaca desde a última entrega do cabaz.. Ou aproveitar bacalhau para ter uma base pronta que depois tanto serve para um bacalhau à Gomes Sá, um empadão de bacalhau, ou até um bacalhau à Brás....
Nessas voltas na cozinha ainda é preciso fazer o jantar nosso de todos os dias! E acabar com alguns restos do jantar de fim de ano!
E assim surge um empadão de atum com camembert e acabam os restos por aqui!

Ingredientes para 2 adultos e 2 crianças:

3 latas de atum em azeite
2 cebolas pequenas
2 dentes de alho
600g de batata
150ml de leite
sal e pimenta q.b.
sobras de queijo camembert - cerca de 1/3 de camembert
nos moscada
azeite q.b.
1 folha de louro
100ml de natas

Preparação:

Descasque as batatas, corte-as em cubos pequenos e leve-as a cozinhar em água temperada de sal. Assim que as batatas estiverem cozinhadas, retire-as do lume, escorra bem e com a ajuda de um utensílio próprio esmague as batatas em puré (pode ser um esmagador manual ou o um passe-vite!) Junte depois o leite quente, aos pouco se poucos, misturando bem no puré de batata. Tempere depois a gosto com sal, pimenta, noz moscada e azeite ou um pouco de manteiga. Reserve.
Entretanto pique a cebola e os dentes de alho e leve a alourar num pouco de azeite juntamente com a folha de louro, Junte depois o atum escorrido e envolva bem. Deixe apurar um pouco e, se quiser tempere com um pouco de pimenta.
No fundo de um tabuleiro que vá ao forno e à mesa, coloque a mistura de atum, e por cima deste disponha o camembert previamente cortado em fatias finas. Cubra depois com o puré de batata e por cima coloque as natas!
Leve ao forno previamente aquecido a 180ºC durante cerca de 30 minutos, apenas para gratinar a superfície do puré.
Sirva com uma salada verde.


Bom Apetite!

Esparguete Carbonara com Queijo Cheddar


Das prendas mais comuns entre os meus anos e o natal, os livro de culinária estão sem dúvida nos top dos preferidos e mais “amados”, mas também recebo outras coisas ligadas à culinária que gosto bastante, como conjuntos de vinagres balsâmicos de diferentes aromas, ou um conjunto culinário vindo diretamente de Inglaterra pela mão da minha amiga Rita que mora agora por lá.
E é a partir desse conjunto de coisas vindas de Inglaterra que me lembrei de fazer esta versão de esparguete carbonara, pois o cabaz que a Rita me ofereceu, além de um “Christmas Pudding", de uns chocolates com “Turkish Delight”, de umas bolinhas de Limão e Mirtilos para aromatizar Gin, de Nozes Pecan, de umas misturas de leguminosas para sopas... trazia ainda uma embalagem com queijos Cheddar variados.
Pois bem... que saia uma carbonara rápida - feita sem natas como deve ser! - e com cheddar em vez de parmesão.

Ingredientes para 4 pessoas (2 crianças e 2 adultos)

250g de esparguete
1 dente de alho
100g de queijo cheddar 
1 ovo
sal e pimenta q.b.
azeite q.b.
250g de bacon em cubos grandes (compro uma fatia grossa e corto-a depois em cubos de 1x1cm)

Preparação:

Coza a massa em água a ferver temperada de sal. 
Entretanto leve uma frigideira ao lume com um fio de azeite e acrescente o bacon e o dente de alho bem picadinho e deixe fritar até o bacon ficar dourado.
Rale o queijo cheddar e coloque-o numa taça. Bata o ovo e misture-o no queijo temperando a gosto com um pouco de pimenta. Reserve.
Assim que a massa estiver cozinhada, escorra-a e guarde cerca de 60ml de água da cozedura da mesma.
Devolva a massa à panela (já sem água) onde a cozer e envolva-a bem com o bacon frito com o alho. Junte a água que reservou da cozedura da massa à mistura de ovo e queijo, misture bem, e misture tudo com a massa ainda quente - mas o lume desligado). Envolva bem até o queijo começar a derreter e o ovo a cozinhar com o calor residual, e formar um molho cremoso. (A água ajuda a envolver e a soltar a massa!)
Sirva de imediato com uma salada verde e, se gostar com um pouco de salsa picada por cima.


Bom Apetite!

Imprimir